Gestão cultural

GRV MEDIA & ENTRETENIMENTO | Conectando Pessoas

 

Já nos deparamos muitas vezes com as questões, que motivam muitas discussões quando os benefícios apontados relacionam-se com Cultura.
Mesmo que se entenda serem praticamente incomensuráveis os benefícios que a Cultura traz ao cidadão, município ou país, podemos sacar estatísticas oficiais para comprovar resultados. As leis de incentivo a Cultura hoje representa em torno de 7% do PIB, e sempre que a Cultura é incentivada, surge a necessidade de técnicos, músicos, empresas de som, de luz, fotógrafos, divulgadores, gráficos, designers, entre outras profissões e atividades dessa cadeia produtiva. Sem perder esse corpo, esse hardware, homens e mulheres resolvem mitigar impactos para usufruir da infraestrutura e buscando assim, uma alma. Uma alma artística, que através de nossa atuação conjunta, permitem incentivar a música popular e demais iniciativas artísticas, com foco no cidadão.

A iniciativa faz com que estudantes de música se multipliquem pela cidade. Produtores, Divulgadores, Gestores, e participantes da Cultura que aqui se gera, exibem orgulho ao falar de suas realizações, e como conseqüência, o sentimento é o mesmo em muitos dos habitantes.

A Cultura, oferece a possibilidade de sonhar. Sonhar é estimular a transformação, criar, sair da dura realidade, e abrir possibilidades para uma sociedade inteligente e criativa. O espaço de convívio congrega, acolhe e incentiva a criação dos laços fraternais, permite a troca de idéias, favorece o respeito às diferenças. Gostar ou não, não importa. Importa dar acesso e criar espaços para que os sonhos transitem.

Concluída a especialização, em dezembro de 2012, na 1a turma da Fundação Getúlio Vargas do Rio de Janeiro em Gestão de Projetos na área do Entretenimento, retornei à Brasília para assumir a gestão cultural do grupo Jorge Ferreira capitaneado pelo saudoso poeta e criador Jorge Ferreira. De junho 2012 à outubro de 2013 estivemos a frente de todos os processos de comunicação, produção, programação, publicidade e assessoria de imprensa deste complexo cultural privado da capital do país. De todos os dados e resultados gerados, nossa maior satisfação até a presente data, foi proporcionar 120 shows mensais para novos e veteranos artistas, do clássico ao heavy metal com farta exposição, no extinto Bar do Ferreira [ Píer 21] e no Bar Brahma [ 201 Sul], onde atuamos até a presente data.

Antes porém, e mais precisamente do ano 2000 para cá, esta atividade se tornou uma de nossas principais marcas, seja criando temporadas musicais em diversas casas noturnas com os vários grupos que administramos ou apresentando alternativas cênico/musicais para grandes e importantes eventos corporativos de empresas públicas e privadas, a partir de Brasília, para diversas capitais e cidades brasileiras, onde nos responsabilizamos por: coquetéis, shows de lançamentos, sessões de autógrafos, atrelado aos artistas de nosso catálogo ou não, até a idealização, execução e produção de festivais de música, onde destacamos o Festival/CD Rolla Pedra, série Rock ́n Roll, as três primeiras edições dos Festivais Caça Bandas, o projeto fonográfico especial Beats&Bites, dedicado exclusivamente ao universo eletrônico/Live PA que nascia em Brasília. Fora isso, realizamos três edições da Feira da Música Independente Internacional de Brasília, uma edição do Festival Universitário de Música (FUM), que possibilitou a produção e o lançamento do primeiro CD da banda Gilbertos Come Bacon, além da primeira edição da série de Ciclo de Debates intitulada Curto Circuito Independente, realizado na Livraria Cultura e, por último, das duas bem sucedidas edições do Prêmio Profissionais da Música

Além da evidência dos números, será que o fazer Cultura não é a nossa melhor contrapartida social?